terça-feira, outubro 09, 2007

A marvada da glicose

Pra quem ainda não sabe estou em um dieta severa, junto com exercício físico, fazem quatro semanas. Tudo muito legal. Já foram embora 8 kilos nesse tempo. Mas, descobri que existe uma combinação perigosa: falta de glicose (durante todo esse tempo passei longe de qualquer coisa que contivesse açucar) e excesso de trabalho.Essa combinação tornou-se uma bomba no meu organismo.Cansaço em demais, descontrole total, falta de sono. A prova é que estou aqui trabalhando e escrevendo às 03:29 da madrugada.
Outra reação adversa desse meu ritmo foi uma irritação incontrolável: hoje fiz uma coisa que nunca havia feito. Em uma reunião com representantes do estado, tive um bate-boca com um representante de uma coordenadoria da região, levantei, juntei todo meu material e fui embora. Queriam que tivesse gravado a cena: eu levantando, juntando milhões de folhas que estavam sobre a mesa, meu casaco e minha bolsa, passando por um corredor enorme, com todo mundo me olhando, pisando forte e batendo a porta atrás de mim. É óbvio que ao sair pela porta, senti o peso da minha decisão, pois me dei conta que ali naquele espaço eu representava a Universidade. Bom, felizmente, imediatamente liguei pra reitoria contando o que tinha feito e a resposta que recebi é que era realmente o que eu deveria ter feito pois a pessoa estava atacando a universidade (não vou entrar aqui no mérito da discussão).
Pela manhã já tinha passado por algo parecido. Há um ano mais ou menos, recebi a incumbência de fazer um livro com o compilamento de todo material produzido pelos alunos e pesquisadores do Instituto a que estou ligada dentro da Universidade. Não ganhei um pila só pra isso. A única vantagem pra mim seria a publicação, e consequentemente, muito pontos no meu currículo. O problema é que para fazer isso deixei de fazer muitas coisas que me dariam mais prazer e mais dinheiro, que uma delas é um livro que to organizando e que poderei vender. Mas, enfim, depois de receber telefonemas todas as semanas do meu diretor implorando que eu mandasse o tal do livro pra editora, finalmente semana passada eu entreguei. A resposta que recebi hoje do setor de orçamento foi: seu pedido de impressão do livro tal foi indeferida pois o chefe do setor não sabe pra que serve isso. Pode? Pode? Pode? Liguei imediatamente. Ô fulano, esse livro é a divulgação da produção científica da Universidade. Acho que não é tu quem tem que entender. Teu papel é meramente fazer o orçamento. Me deu vontade de dizer pra ele pegar todo a cópia e usar como papel higiênico, que eu já estava achando que era o que valia todo o trabalho de um ano.
Enfim, depois de um ataque de fúria e de mil ligações para o diretor para o tal fulano, finalmente deferiram a publicação.
Bem, depois de tudo isso, a única coisa boa do dia foi minha terapia, onde pude ficar 50 minutos chorando feito criança. E foi tão bom, acho que chorei tudo que não chorava há meses. E ainda sai de lá com a prescrição de comer um bombom, pra melhorar meu cansaço, o que, obviamente, não fiz e continuei trabalhando.
Bom cheguei em casa perto das nove, completamente cansada e comecei a falar com o Daniel e o Rodrigo no MSN. Uma conversa coletiva. Bom, pra resumir a história, eu simplesmente não conseguia digitar, tanto que o Daniel chegou a dizer que estava achando engraçado o dialeto que eu estava usando. Fora o "nada com nada" que falei.
Aí resolvi comer o tal bombom, pois vi que a situação era crítica. Comi um Alfajor e virei outra pessoa. Os meninos citados aí em cima podem comprovar.
Bem, dormi das dez até as duas e voltei a trabalhar. Mas agora menos cansada e com toda corda como vocês devem estar notando.
Ah, desculpem o texto longo. Mas, como li uma vez, um cara escreveu uma carta enorme pra namorada. No final ele escreveu: desculpe-me a longevidade dessa missíva, mas não tive tempo para escrever uma mais curta.
beijos e bom dia

9 comentários:

Priscila disse...

Ufa, cansei! :)

Mônica disse...

Parabéns,tu conseguiu ler até o fim. Vai ganhar um sushi extra amanhã.

Clari Ro. disse...

Que pilha!! Empresta?? :-)

Pri Tescaro disse...

Uma escapadela na dieta não faz mal à ninguém.

Beijocas!

Padre Antonio Vieira. disse...

Pra ser breve é preciso tempo.

Márcio disse...

Preciso comprar urgente um saco de Sonho de Valsa pra Priscila...

Daniel disse...

Comprovado. Alfajor cura dislexia!

Marilac disse...

Oii Mônica,
Bem o tal representante mereceu o que vc fez...E infelizmente vamos encontrando pessoas que nos tiram mesmo do sério ao longo da vida!

Parabéns pela força de vontade na dieta, mas como disse a sua amiga Pri " uma escapadela da dieta não faz mal", e então agora vc já sabe , tem que lembrar que é humana..procure descansar mais e tb evitar a falta de glicose chegar a nivel perigoso..

bjs e uma semana abençoada!

Mônica disse...

vou defender essa tese daniel.

marilac, vou escrever um e-mail pro reitor lembrando ele da minha "humanidade", mas acho que ele não será muito sensível.
obrigada pelo apoio querida. beijos