quarta-feira, janeiro 17, 2007

Saudade

O meu sobrinho resolveu passar alguns dias aqui comigo. Queria ficar uma semana. Essa noite ele veio pra minha cama chorando e dizendo que estava com muita saudade da mamãe dele: Dinda, to com tanta saudade que dói aqui dentro.
Peguei-o no colo e fiquei conversando até que ele pegasse no sono, não sem antes prometer que hoje a mamãe dele viria buscá-lo.
Depois que ele adormeceu novamente fiquei pensando como saudade dói mesmo. Como uma dor física, não só emocional. E saudade é um sentimento tão complicado de controlar, mesmo que a gente esteja sentindo por alguém que não merece a nossa saudade, ou não a quer ou não a retribui.
Saudade, na maioria das vezes, é um sentimento solitário. Nem sempre essa saudade pode ser resolvida. Em alguns casos, ela vai permanecer em quem a sente, até que termine, ou até que você se acostume com ela, ou até mesmo até o dia em que você não entende como sentiu aquela saudade algum dia.
O Nathan vai matar a saudade dele hoje. A dor vai sumir e talvez hoje à noite ele nem lembre que a sentiu.
Eu vou conviver com a minha, pensando que se estou sentindo, é porque algumas coisas boas eu senti e eu vivi. E que um dia ela vai acabar, mas no meu caso, é porque finalmente um dia eu esquecerei...

3 comentários:

Priscila disse...

Sim, sim e SIM!!!!!!

Mônica disse...

não entendi.

Fabrícia Reginato disse...

Que sorte tem o Nathan que vai conseguir matar a saudade dele hoje!

Bjus amore!
Fica bem aí!