sábado, outubro 20, 2007

Sempre em cima do salto


Desde criança ouvi minha a paterna, que era cheia de traquejos sociais, dizer que toda mulher, independente da situação deveria sempre se manter em cima do salto.
Bem, acho que não aprendi direito a lição, ou aprendi pela metade.
Sei que ela queria dizer que nunca deveria perder a classe, demonstrar emoções descontroladas em públicos e todas essas coisas que se aprende nas aulas de economia doméstica e etiqueta nos colégios de freiras, nos quais estudei boa parte da minha infância.
Aprendi só a parte de andar de salto. Amo salto, agulha de preferência.
Pra manter o hábito tive um ataque consumista (que graças a Deus são raros em mim) no último final de semana e fiz um verdadeiro rancho de sapatos. Todos esses aí em cima.
Mas, depois tive dois problemas: um foi a queda no banheiro, que me fez usar uma tornozeleira durante quase toda a semana, impedindo de estreiar os sapatos novos, com excessão da sapatilha.
O outro foi ontem, quando finalmente, para fazer uma apresentação, me propus a suportar a dor e usar meu sapato novíssimo beringela, de bico fino e salto agulha, fazendo par com minha bolsa.
Tudo ia muito bem, até eu quebrar o salto no meio da palestra e ter que passar o resto da tarde e do coquetel tentando me equilibrar.
Definitivamente, devia ter prestado menos atenção nas aulas de biologia e mais nas aulas que me capacitariam a ser mulherzinha.

5 comentários:

Susi Schio disse...

Nota 10 no quesito bom gosto para calçados.

Mônica disse...

obrigada Susi. Meu jeito perua de ser agradece. :*

Pri Tescaro disse...

Também faltei na aula para aprender a ser mulherzinha.... confesso que já fui super fã de saltos, mas nos últimos tempos, a praticidade das sapatilhas são mais atraentes.

Beijocas

Mônica disse...

que minha vó não te ouça lá do além, pri.

~*Vica*~ disse...

Lindos os sapatos. Eu só quebrei um salto uma vez, porque vi uma barata na rua e dei um pulo, hehehe.