quinta-feira, dezembro 20, 2007

Susto e descaso

Ontem minha mãe passou por momentos terríveis.
Uma pessoa se fazendo passar por mim ligou para o celular dela, chorando desesperadamente, pedindo socorro e dizendo que tinha sido sequestrada. Em seguida ligou um homem exigindo que ela levasse uma quantia em dinheiro até determinado local. Ela deveria ir, sem desligar o celular, conversando com ele o tempo todo e narrando tudo o que estava fazendo. Se a ligação caísse ou ela falasse qualquer coisa ele mandaria para ela a minha cabeça.
Imaginem o desespero. Ela disse que pensou em todos os golpes que ela vê pela imprensa diariamente, mas que não quis apostar. Ela não podia pegar outro telefone para me ligar, pois tinha medo que ele desconfiasse e me matasse. Disse que só conseguia ver minha cabeça decapitada na frente dela.
O cara cronometava o tempo e mandava ela andar mais rápido e não chorar.
Quando ela chegou próximo a uma farmacia a ligação caiu. Ela entrou em desespero, achando que me matariam. Os atentedentes da fármacia a acolheram e ligaram para o meu celular. Eu estava na manicure.
Ela me disse que no momento em que eu disse "oi mãe" no telefone, o mundo dela começou todo de novo.
Fui até o local, encontrei-a em um estado de desespero. O cara continuava ligando, até eu pegar o telefone e me identificar. Assim que falei que era eu, ele desligou e cessaram as ameaças.
Ai começou outro drama. Após levar ela ao atendimento médico, fomos a delegacia registrar a ocorrência.
Nunca fui tão mal atendida. Todo o drama na delagacia renderá outro post.
Aliás, não só um post, mas uma carta ao secretário de segurança do estado e talvez até para a imprensa.
Sou cidadã desse estado. Pago meus impostos todos. Muitos. Quero ter direito a segurança, a respeito e agilidade no atendimento. Não é minha culpa que não estão contentes com seus salários. Alias, ganhar pouco não é desculpa para ser mal educado e tratar a população com desprezo.
Uma fedelha, provavelmente uma estagiária, me disse que o mau atendimento era porque o estado não repassa dinheiro. Sinto muito minha filha, todo dinheiro que for mandado, não vai te dar neurônios e boa educação. Sugeri que ela pedisse transferência para o setor do estado que cuida da criação de cavalos da brigada. Se bem que nem os animais merecem aquele tipo de tratamento.
Bom, acho que ontem foi a primeira vez que na minha vida em que rezei pelo sofrimento de alguém. Quero que quem fez isso com minha mãe sofra muito. Que toda sua familia sofra. E que esses pseudo-servidores públicos sofram do mal atendimento a que nos submetem diariamente, no momento em que eles mais precisarem de ajuda.

7 comentários:

Susi Schio disse...

Ah, a polícia...

Quando roubaram minha carteira da mochila, os queridos só faltaram rir da minha cara, na opinião deles, a burra era eu por andar de mochila.

Eu e uns amigos fomos abordados à mão armada e levaram o carro do meu namorado, foi horrível! Na hora de prestar queixa, o "pulíça" que nos atendeu era o que há em grossura...já tava emputecida na delegacia com aquele atendimento cretino, oq que tavam comigo trataram de me acalmar, dizendo que era assim mesmo e eu que me conformasse...

Reclama, divulga, faz o que for preciso. Precisando de mais alguém pra bater o pé contigo em relação a esse assunto, é só me chamar.

Márcio disse...

Mim, amigo!
A-M-I-G-O

Marilac disse...

Oii Mônica,
Ainda bem que na farmácia acolheram sua mãe e trataram logo de entrar em contato com você!!!
Duas colegas minhas já passaram por este sufoco,Este golpe é de uma crueldade absurda e faz muitas vitimas o tempo todo apesar da divulgação na midia,pois o que acontece é que ninguém quer arriscar a vida de um ente querido!E o mundo anda tão violento, né?

Lamento pelo mal atendimento, educação e diplomacia deveriam ser obrigatorios para quem lida com o publico ainda mais em situações como essa,onde já se está nervosa pelo ocorrido.

Boa idéia essa de escrever a carta, é preciso mostrar o que está errado só assim poderemos melhorar alguma coisa.

Grande abraço
Marilac

Rodrigo... disse...

putz... revoltante demais...
sensação horrível eh não saber pra onde correr... pra quem pedir ajuda...
a questão da grana faz sentido não pra melhorar o humor dos atuais servidores... mas soh pq selecionaria os próximos... em bsb funcionou...
de qq maneira, nada justifica essa palhaçada... q raiva...

Virgínia disse...

Que horror! Ainda bem que tua mãe foi acolhida por esse pessoal da farmácia. Tu vê, estranhos fazem mais por nós do que a polícia. É um absurdo mesmo. Da vez que eu fui assaltada, também só faltaram rir da minha cara.

Mônica disse...

Pessoal, obigada pela solidariedade. Felizmente tudo não passou de um susto e estamos todos bem. Mas a sensação de impotência e de revolta continue. Um beijo a todos nesse natal, com muito carinho.

Pri Tescaro disse...

Queri, que notícia horrível. Não sabia de nada. Estava incomunicável desde quinta-feira. Precisando de algo, grita que a gente corre até aí!

Fica bem....
Beijo