domingo, dezembro 14, 2008

Vida

Quem me conhece sabe que nasci em berço esplêndido. Tive tudo que uma criança pode desejar. Além da pujança material, tive uma família maravilhosa, uma educação esmerada, amigos queridos. E foi isso que me deu lastro para enfrentar todas as dificuldades que aconteceram.
No início da minha vida adulta, a bolha cor de rosa que me cercava desapareceu. E, na verdade, fui a única pessoa da família que ficou inteira para suportar o que vinha pela frente.
A partir desse ponto tudo ficou muito difícil, mas toda a bagagem que tive nos anos iniciais da minha vida me deu força, coragem e capacidade de reconstruir tudo.
Óbvio que foi muito difícil, mas não foi impossível. Houve momentos duros e também houve momentos muito felizes. Adquiri com tudo isso certa couraça. Fiquei um tanto refratária para os problemas. Mas, em determinados momentos, as incertezas, as dificuldades e as tristezas foram tantas que chegaram a provocar rachaduras nessa minha armadura.
Mas, enfim, a vida continuou seguindo, muitos obstáculos a serem transpostos.
Nesse exato momento, me encontro em um desses períodos complicados que a vida nos traz. Período de buscar respostas, de angariar forças e de usar toda a experiência adquirida nesses anos todos de construção e reconstrução.
Período complicado, não na vida pessoal, mas com muitos problemas na vida profissional. Ocupo um cargo em alto escalão que me faz ter que gerenciar uma enorme crise. Ou, talvez, gerenciar para evitar uma enorme crise. Muito complicado, pois minhas decisões, meus passos, meus atos afetam diretamente o desempenho de todos que contam comigo.
A última semana foi particularmente complicada, tendo que acatar decisões superiores com as quais eu não concordo e que vão gerar muitos fatores negativos.
Tenho sentido que estou nadando em areia movediça. O complicador disso tudo é que todos contam comigo para sair e alcançar a tábua salva-vidas aos outros. E eu não estou conseguindo.
Estou me sentindo impotente, estou me sentindo incompetente frente a tantas dificuladades.
Queria não ter que ser de novo a tábua de salvação. E sei que agora não posso pedir colo. Não tenho pra quem pedir.
Queria nesse momento poder estar aproveitando o lado bom da vida. Queria motivos para cair na gargalhada e poder esquecer as responsabilidades. Queria sair viajando e entrar no clima de Natal. Queria me apaixonar, queria brincar, queria brindar e não deixar os problemas afetarem a sensação de felicidade.
Mas, sei que de novo, é tempo de plantar. E sei que em pouco tempo vou colher frutos saborosos.
Só me resta perseverar e esperar que as pessoas que me rodeiam e que eu afastei nesse momento possam entender o que acontece. E que no final desse túnel eu possa encontrá-las de novo.
E sentir paz.

4 comentários:

Pri Tescaro disse...

Querida, a vida é difícil mesmo. Mas, o que seria de nós sem esse constante aprendizado? Sei que cansa, mas é necessário e a gente vai rir muito quando tudo isso terminar.

Beijoca bem grande!!!!

Priscila disse...

Carinha nova netsa casa!!!

Seguem em frente, Mô. Nós sempre estaremos por perto. Um beijo.

Clari Ro. disse...

Gostei do visual branco!
E problemas no trabalho é sempre difícil. Mas a gente não pode esquecer que trabalho é trabalho. Não merece levar nossa saúde nem nossa felicidade. Bjkas e te cuida.
E estou com saudades de vocês.

Mônica disse...

beijos gurias. é isso aí, seguindo em frente.