segunda-feira, agosto 21, 2006

Y

Às vezes tu vens caminhando pela vida, como se estivesse em um longo caminho. Caminho cheio de curvas, de pontes, de obstáculos, de subidas, descidas. Às vezes tu estás caminhando com um grupo, às vezes sozinha. Às vezes encontras uma pessoa, que acerta o passo como o teu, e aí seguem caminhando lado a lado. E tu se acostuma, se apaixona, briga, reconcilia, e continuam no compassso. Às vezes outras pessoas aparecem, fazem companhia. Outras chegam e parecem que te levam o companheiro. Tiram ele do compasso. Mas ele volta e acerta de novo o passo contigo. E assim, vão caminhando, junto, por um, dois, três, quatro, cinco anos.... E tu te acostumas. E começa a achar que nunca mais vai conseguir andar sozinha. E nesse passo, desviando obstáculos, tecendo sonhos, resolvendo questões cotidianas, tu nem percebes que chegaram a uma encruzilhada. E também não percebe que o outro pegou o outro caminho. E como se fosse um grande Y, no início, estes caminhos continuam ainda tão paralelos, que tu nem percebes que são caminhos diferentes. Ai tu continuas caminhando e continuas falando. Cada vez mais alto, mas tu nem percebes, perdida nas coisas do cotidiano. Começas a perceber quando tuas perguntas não recebem mais respostas. Ou estas respostas demoram muito pra chegar. E tu ainda continuas um tempo falando sozinha, com esperança de que seja apenas um desvio. Mas não é, cada vez mais os caminhos se afastam. Outras pessoas vão passando por ti. Algumas param, acertam o passo, ficam um pouco e depois seguem em um trote diferente. E tu continuas olhando pro lado tentando enxergar aquela pessoa. Em postos mais altos do caminhos, vocês ainda se enxergam, se abanam, dizem que logo vão estar juntos, quem sabe.... E depois, parece que baixa um grande nevoeiro no vale formado entre os caminhos. E quando ele some, tu olhas pro lado e não enxerga mais ninguém. Nem enxerga o outro caminho. E ai que tu percebes que não foi o nevoeiro, foi o ângulo do caminho que te afastou. E tu não tiveste escolha. E ai tu começas a sentir uma profunda dor. Às vezes tu choras, tuas lágrimas molham teus passos. Mas tu sabes que não pode parar, e sabes que não podes voltar sobre teus próprios passos. Tu sabes que daqui a pouco a dor também vai passar. E tu ainda sabes que vão ficar as lembranças. E tu torces pra que lembre só das boas. Às vezes alguém passa e te dá noticias, em outras tu passas por pontos tão altos que até enxerga o outro lá tão longe e se tiver sorte, consegue até vislumbrar um breve abano. E ai tu pensas que talvez um dia, vai haver uma nova encruzilhada e esses caminhos vão se encontrar novamente. Mas tu sabes que isso é um sonho. E ai tu segues a tua vida e pede pra Deus que o outro esteja feliz no novo caminho. E que o horizonte que busca seja rico. E tu pedes que tu também sejas. E que teu horizonte também seja do jeito que tu imagina. E fica no fundinho do teu coração, aquele espacinho, agora preenchido por lembranças.

9 comentários:

Anônimo disse...

Oi, te achei nos comentários do blog da Kelen.
Esse post é a minha vida.
Totalmente Y hoje!
Muito lindo...
Bjo

Dé disse...

Não era pra ser anonimo... era pra ser...

Mônica disse...

OI Dé, seja bem vinda e obrigada. Escrevi esse post esses dias quando pensava na minha vida agora. Totalmente Y também rssss. Apareça sempre. bj

Priscila disse...

Todas estas palavras poderiam ser ditas, escritas, pensadas por mim. Mas jamais com tanta poesia e beleza. Parabéns, Monica. Lindíssimo teu texto!!!

Mônica disse...

Oi Pri, que bom te ver aqui!!!
E muuito obrigada pelos elogios. O texto foi escrito mais como um desabafo, sem nenhuma pretensão poética. Até porque eu de poeta não tenho nada. Mas, enfim, que bom que gostaste. beijo enorme

Ka disse...

Pois é, fiquei refletindo sobre as tuas palavras e..... É isso mesmo, as coisas mudam, as pessoas passam e a gente tem que se acostumar com as mudanças, com as faltas e com o novo. Pode ser triste no primeiro momento. Mas depois um novo horizonte se abre. A vida se renova e nos aparece bem melhor e com outras cores. Quando nos deparamos com o "Y", o melhor é seguir um dos caminhos sem voltar à encruzilhada. É não olhar para trás para saber se foi certo ou errado. As escolhas são sempre certas, pois são nossas. Deixa os caminhos paralelos seguirem paralelos... outros se cruzarão com os nossos, bem ali na frente. Novas pessoas se apresentarão e novos amores surgirão. Passa pelo "Y" e desmonta ele. Não volta para lá.

Mônica disse...

Lindo Ka...só podiamos ser primas mesmo né?
saudade

Pri disse...

Mônica, estava precisando encontrar seu blog e nem sabia.... digitei no Google o nome de um medicamento e "pluft" apareceu seu blog como uma das referências. Só pode ser o destino. Isso foi às 8h30.... passei o dia lendo seus textos, e agora, quando a tristeza do meu "Y" resolve bater no coração, encontre este texto fantástico.
Só pode ser destino mesmo...... precisava ler este texto para entender que os caminhos são paralelos e não adianta teimar em ser único, porque não dá!

Parabéns!!
Beijo,
Pri

Mônica disse...

Oi Pri
Muito legal tu vir conhecer um pouquinho de mim....este texto foi escrito com minha alma, quando aprendi que as vezes não adianta tentar voltar atrás.
Que bom que o destino te trouxe aqui..fiquei muito feliz.
Apareça sempre, comente sempre que quiser. Adoro quando comentam.
Seja muito bem vinda.
Beijo enorme